imprensa

Franqueados incrementam faturamento com uso do delivery

O delivery de comidas já é parte da vida do brasileiro e mostra ser também um canal de vendas importante para os restaurantes. Segundo dados da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (ABRASEL), o ritmo de crescimento / faturamento no número de pedidos via aplicativos de delivery é de R$1 bilhão a cada ano, um crescimento superior a 12%. Em 2015, as cifras superaram R$9 bilhões e a expectativa é fechar 2017 acima dos R$10 bilhões.

 O presidente executivo da ABRASEL, Paulo Solmucci Júnior, credita tais resultados positivos a um comportamento mais consciente. "As pessoas estão fazendo as contas, prestando mais atenção aos gastos", defende o executivo.

O mercado dos aplicativos de delivery é tão atrativo e promissor que mesmo empresas consagradas de outras áreas já oferecem o serviço, como o Uber Eats. Mundialmente conhecida por transformar o conceito de transportes individuais, a empresa percebeu por meio de pesquisas de comportamento que poderia acrescentar esse serviço ao seu modelo de negócios.

 “Quando se falava em delivery, o mercado remetia apenas à ideia de entrega de pizzas em domicílio. Rapidamente, o serviço chegou a outros ramos de negócio. Hoje, entrega-se de DVDs a roupas, medicamentos e compras de supermercado, porém as comidas prontas são as campeãs dos pedidos. Há negócios focados somente no delivery, sem portas abertas para a rua, e outros que têm ponto comercial e também fazem entregas. Em qualquer um desses casos, para que o serviço traga bom retorno, é preciso alguns cuidados para implantá-lo. Começar com delivery próximo ao local do negócio, entregadores eficientes e atenção no cadastro de clientes são alguns deles” explica o presidente do Grupo Bonaparte e diretor regional da ABF, Leonardo Lamartine.

 

Não há como não creditar à tecnologia essa revolução. Os aplicativos de delivery contam com funcionalidades que o público adora, como a possibilidade de procurar por restaurantes próximos, por tipos de pratos ou tempo de entrega. Há alguns anos esse tipo de pesquisa poderia levar dias e o resultado não necessariamente seria positivo. Agora, basta alguns cliques no smartphone e o aplicativo já relaciona os estabelecimentos adequados aos interesses do consumidor, que também pode cadastrar um cartão de crédito na plataforma e nem precisa mais se preocupar com o pagamento na hora da entrega.

Já para os proprietários de restaurantes, os apps de delivery significam uma ótima estratégia para se destacar e faturar mais. O franqueado Wilson Moraes usa há mais de 10 anos o delivery nas suas lojas Bonaparte, na Paraíba. Para ele, a divulgação nos pontos de venda é importante para levar o serviço ao conhecimento dos clientes, além de parcerias como crossmarketing, onde oferece descontos para clientes de negócios de outros ramos, como farmácias, por exemplo.

 

“As entregas em domicílio são responsáveis por 20% do nosso faturamento. Indico também que os franqueados contratem o serviço em parceria com outros lojistas da praça da alimentação, dividindo o percentual de comissão com os motoqueiros de empresas terceirizadas. Assim os custos diminuem e não há o risco de ficar na mão com a falta de algum profissional”, explica. As marcas do Grupo Bonaparte estão disponíveis nos principais aplicativos de delivery como Ifood e Abrafood.

 

 

 

 

 

 

 

 

Compartilhe